"Não recebestes um espírito de escravidão para viverdes ainda no temor, mas recebestes o espírito de adoção pelo qual clamamos: Abba! Pai!" (Rm 8,15)


Site dedicado à devoção a Deus Pai!

Originalmente criado em 26 de março de 1999; transferido para leiame.net em 28 de fevereiro de 2004
Agradecimentos a Tolentino Flavio e Editora da Divina Misericórdia

O livro
A Vida para a Glória do Pai é o livro que traz uma breve biografia de Madre Eugênia e a transcrição de seus escritos com suas experiências místicas da revelação de Deus Pai.
No Brasil, esse livro é comercializado pela Editora da Divina Misericórdia.
Imprimatur + Fr. Petrus Canisius van Lierde, Vig. Gen. E Vicariatus Civitatis Vaticanae die 17 Aprilis 1989

Rezemos pelo Santo Padre!
Deus, Pastor e Guia de todos os fiéis, olhai com benevolência para o vosso servo o nosso Santo Padre, o Papa Francisco, que quisestes colocar à frente de vossa Igreja. Concedei-lhe, nós Vos suplicamos, a graça de a edificar com suas palavras e seu exemplo. E que, desta maneira, chegue um dia à vida eterna com todos os que lhe foram confiados. Assim seja.

Quem é Madre Eugênia?

A vida para a glória do Pai
3 minutos
Quem é Madre Eugênia?

Nascida em 1907 em San Gervasio d'Adda, Itália, conheceu muito cedo o sofrimento e sobreviveu, depois de um milagre obtido pelo seu avô junto da Santíssima Virgem, que ela própria vê. O seu avô dá muita importância à oração na família e vai-lhe dando preciosos ensinamentos, que ajudam a criança a crescer religiosamente. Um dia, mostrando-lhe o rio Adda, disse-lhe:

"Olha para a água, ela corre e afasta-se , se parasse seria um pântano de água estagnada. Assim sucede com os teus sofrimentos, as tuas lágrimas e as tuas lutas: elas passam, não as pares. Tudo passa, oferece a Deus e aceita cada dia a Sua Vontade. Não olhes para a pessoa que te causa o sofrimento. recebe-o das Suas mãos, nada é por acaso; Deus segue as Suas criaturas passo a passo. Ele nos ama mesmo se nós não compreendemos todos os porquês. Coragem, segue sempre em frente e espera que o sofrimento passe".

Elisabetta aproveita bem estes ensinamentos dados pelo seu querido avô. Ela repetia estas palavras emblemáticas:  "Espero que isso passe e, entrementes, canto". Nós, as Irmãs da Madre Eugénia, dizíamos: "A Madre Eugenia está cantando, alguma coisa vai mal".

Depois de oito anos de trabalho numa fábrica, decidiu fazer-se missionária: "Eis-me aqui, ó Pai, eu venho fazer a Tua Vontade!".

No Convento, novas dificuldades. Ela pensa que não se pode pretender que todas sejam santas no Convento, pois a santidade obtém-se lutando e conquistando novas vitórias, a pouco e pouco. Compreendeu que não se deve julgar, que se deve permanecer unido a Deus e observar os regulamentos sem andar a ver se as outras os observam; cada uma responde por si mesma diante de Deus com as suas próprias responsabilidades. Está convencida de que deve ser caridosa para as outras e ajudá-las nas suas necessidades. Deus dar-lhe-á forças para isso: "Coragem, pois, e em frente!"

Imprevisivelmente, é nomeada, ainda muito nova, mestra das noviças e, em 1935, é eleita Geral por 12 anos. A sua maneira de atuar é a de uma pessoa que tem uma confiança ilimitada em Deus e que não mede as suas forças e as suas capacidades.

A sua instrução não passa da terceira classe e agora que tem de lidar com várias línguas e muitos problemas, a sua confiança em Deus é ainda mais forte e Deus ajuda-a. Quando é preciso, fala todas as línguas, incluindo o latim com os sacerdotes. Escreveu também vários livros de instrução religiosa.