O Carisma da Madre Eugênia

O seu carisma é a UNIDADE, tão desejada por Jesus (Jo, 1): Uma só família, tendo à cabeça Deus Pai. O PAI bom, amável, o PAI que está sempre conosco, o PAI que nos ama continuamente com ternura, o PAI que de tal modo nos amou que nos deu o Seu Filho Único.

Para a preparar para a sua missão, Deus encheu-a de dons e de graças extraordinárias, e levou-a a uma grande virtude, por meio de grandes sofrimentos, no meio dos quais o seu amor a Deus tornou-se cada vez mais forte. Agora que está preparada, Jesus diz-lhe:
“Ao longo dos séculos, Deus já concedeu muitos dons, mas eis agora o DOM dos dons” e, com um gesto da mão, fez-lhe ver a chegada de Deus Pai … o PAI que se dá à humanidade.

A Madre Eugénia tem a missão, confiada pelo próprio PAI, de dar a conhecer a toda a gente, a todos os Seus Filhos, a “Mensagem do Seu Amor”: Que o PAI da humanidade, que Jesus revelou, está sempre conosco, que Ele nos ama ternamente, que protege a nossa vida depois de no-la ter dado, que não se deve ter medo mas sim confiança n’Ele, porque Ele constituiu como Juiz o Seu Filho Jesus, mas Ele é o Pai. Assim, pois, a missão da Madre Eugénia é a de fazer tomar consciência desta maravilhosa realidade: Deus é nosso PAI, Ele nos ama, Ele está sempre conosco e quer levar-nos para a Glória da Sua Casa.UICAP_Emblem

Ela fundou a Obra do Pai para a Unidade: “UNITAS IN CHRISTO AD PATREM”, que continua o seu carisma e onde muitas pessoas sentem a Presença Viva do PAI.

O próprio Pai disse à Madre Eugénia que todas as vezes que as pessoas lessem a Sua Mensagem, Ele estaria presente com o Seu Amor e a Sua Presença Viva, para Se comunicar à alma.

Deus Pai concede muitas graças por intercessão da Madre Eugénia, rezando-se a oração “Deus é meu Pai”, que o próprio Pai lhe transmitiu.

Em missão

A sua aparência é frágil, mas teve a coragem de obter para as suas Irmãs uma posição digna no trabalho e não uma função inferior, como acontecia com todas as mulheres do tempo. Para a Madre Eugénia todos os seres humanos são iguais perante Deus, todos filhos do mesmo Pai, nem a cor, nem a raça ou a classe ou o sexo podem tornar uma pessoa superior a outra. É forte e heróica, segundo o Evangelho, no cumprimento total do seu dever.

Mãe dos leprosos

O único guia de todo o seu fervor é o Amor a Deus, pode-se encontrar este impulso em todas as suas obras, sem qualquer medida que possa avaliar as suas possibilidades e as reações à sua volta.

Madre Eugênia com os leprosos
Madre Eugênia com os leprosos

Em 1939, em África, encontra os leprosos relegados para a ilha Désirée, na Costa do Marfim. As pessoas da aldeia, aterrorizadas com este mal, transportam-nos para a ilha donde não poderão escapar, abandonados aí à doença, à solidão e ao desespero. A Madre Eugénia vai ter com eles e pergunta-lhes:

Que gostaríeis de ter? Falai à vontade, amo-vos e gostaria de vos ajudar. Farei tudo o que puder para vos ajudar, não desespereis. Prometo-vos que voltarei o mais depressa possível.

E toca-lhes, sem temer o contágio, para lhes provar o seu amor.

Raoul Follereau conta este episódio na sua Autobiografia “A única Verdade é Amar”. Ele diz: 

“A ilha Désirée, com a sua luxuriante vegetação, feita para a felicidade, para o repouso e para a paz, este paraíso terrestre é, contudo, um lugar de inferno porque é habitada por seres marcados pelos mais horríveis sofrimentos… ”
“Foi perto dela que um dia pousou o hidroavião da Madre Eugénia e então estes ‘malditos’ viram também descer do céu a Missionária da Caridade. Ela sorri, estende as mãos, fala-lhes, escuta pacientemente a sua pobre história, cada um mostra-lhe as suas feridas e explica-lhe a sua miséria”.

Contra todas as dificuldades, a Madre Eugénia descobre como conciliar os regulamentos sanitários com a impressão de liberdade: construir-se-á a cidade dos leprosos em plena floresta virgem e assim eles poderão andar à vontade na cidade, terão verdadeiramente a impressão de estar livres, uma cidade onde não mais serão tratados como animais, mas sim como homens, com todo o respeito e a dignidade que merecem. Tudo isto, hoje, parece muito simples, mas em 1939 era um projeto revolucionário e as pessoas diziam: “É um sonho. uma utopia, uma quimera; esta mulher é generosa, claro, mas não sabe o que faz, a sua caridade fá-la ultrapassar os limites do possível… “

Madre Eugênia lança Follereau a favor dos leprosos

A Madre Eugénia confia as suas preocupações, com uma voz vibrante e indignada a Raoul Follereau, que nesse momento estava escondido no seu Convento por causa da perseguição alemã. Diz-lhe:

“Na Europa, fazem guerra! Milhões de francos para bombas e canhões! E ali os seres mais pobres do mundo morrem de fome e de negra miséria. Rapazes de doze anos sem mãos, desfigurados, que dormem nas lixeiras. Mulheres novas, enlouquecidas pela fome. E nós brincamos às guerras! Quero construir uma cidade na floresta africana onde os leprosos não sejam tratados como animais. mas sim como homens, com todo o respeito e dignidade que merecem… “

 Raoul Follereau
Raoul Follereau

Follereau sentia na voz da jovem Irmã uma vontade enorme e decidida a tudo fazer e diz-lhe: “Minha Madre. continue o seu trabalho, que eu vou ocupar-me do dinheiro”. A partir desse momento deixou corajosamente o Convento sem se preocupar com a perseguição.

Passados 10 anos, em 1950, a cidade está pronta, com a boa vontade de muitas pessoas e a confiança que a Madre Eugénia transmitiu e manteve, realizando-se assim o sonho impossível — e de tal modo se desenvolveu que se transformou no Instituto Nacional da Lepra da Costa do Marfim.

A França atribuiu-lhe a Coroa Cívica, distinção concedida a Obras de reconhecido caráter social. Com a confiança que a Madre Eugénia tinha em Deus e o desejo de ajudar estes doentes, descobriu um novo medicamento, que o Instituto Pasteur de Paris aperfeiçoou, dando deste modo um novo impulso à Ciência.

Quem é Madre Eugênia?

Nascida em 1907 em San Gervasio d’Adda, Itália, conheceu muito cedo o sofrimento e sobreviveu, depois de um milagre obtido pelo seu avô junto da Santíssima Virgem, que ela própria vê. O seu avô dá muita importância à oração na família e vai-lhe dando preciosos ensinamentos, que ajudam a criança a crescer religiosamente. Um dia, mostrando-lhe o rio Adda, disse-lhe:

– “Olha para a água, ela corre e afasta-se , se parasse seria um pântano de água estagnada. Assim sucede com os teus sofrimentos, as tuas lágrimas e as tuas lutas: elas passam, não as pares. Tudo passa, oferece a Deus e aceita cada dia a Sua Vontade. Não olhes para a pessoa que te causa o sofrimento. recebe-o das Suas mãos, nada é por acaso; Deus segue as Suas criaturas passo a passo. Ele nos ama mesmo se nós não compreendemos todos os porquês. Coragem, segue sempre em frente e espera que o sofrimento passe”.

Elisabetta aproveita bem estes ensinamentos dados pelo seu querido avô. Ela repetia estas palavras emblemáticas: “Espero que isso passe e, entrementes, canto”. Nós, as Irmãs da Madre Eugénia, dizíamos: “A Madre Eugenia está cantando, alguma coisa vai mal”.

Depois de oito anos de trabalho numa fábrica, decidiu fazer-se missionária: “Eis-me aqui, ó Pai, eu venho fazer a Tua Vontade!”.

Madre Eugênia
Madre Eugênia

No Convento, novas dificuldades. Ela pensa que não se pode pretender que todas sejam santas no Convento, pois a santidade obtém-se lutando e conquistando novas vitórias, a pouco e pouco. Compreendeu que não se deve julgar, que se deve permanecer unido a Deus e observar os regulamentos sem andar a ver se as outras os observam; cada uma responde por si mesma diante de Deus com as suas próprias responsabilidades. Está convencida de que deve ser caridosa para as outras e ajudá-las nas suas necessidades. Deus dar-lhe-á forças para isso: “Coragem, pois, e em frente!”

Imprevisivelmente, é nomeada, ainda muito nova, mestra das noviças e, em 1935, é eleita Geral por 12 anos. A sua maneira de atuar é a de uma pessoa que tem uma confiança ilimitada em Deus e que não mede as suas forças e as suas capacidades.

A sua instrução não passa da terceira classe e agora que tem de lidar com várias línguas e muitos problemas, a sua confiança em Deus é ainda mais forte e Deus ajuda-a. Quando é preciso, fala todas as línguas, incluindo o latim com os sacerdotes. Escreveu também vários livros de instrução religiosa.